Segunda-feira, 12 de Julho de 2010

Bullying

Em 2010, o Altas Horas iniciou um campanha para combater a prática de bullying nas escolas. Essa ação nasceu de um debate promovido por Serginho Groisman durante um programa. Naquela oportunidade, Felipe Matos levantou-se na plateia e revelou que era vítima dessa violência em seu colégio.

Desde então, Serginho vem realizando ações para divulgar a campanha Altas Horas contra o Bullying. O apresentador gravou um vídeo, que será veiculado durante a programação da TV Globo, e criou um cartaz para as escolas fazerem download no site do programa e espalharem nas salas de aulas e pátios.

Agora, a campanha Altas Horas contra o Bullying inicia uma nova fase e vai precisar da sua ajuda. O site do Altas Horas está disponibilizando um espaço especial para você falar sobre o assunto.

Se você sofre ou já sofreu bullying, se você participa de alguma campanha e quer divulgá-la, se você tem experiências legais e atitudes positivas para ajudar a resolver o problema ou se você só quer dar a sua opinião sobre o tema, grave um vídeo e envie para nós. Participe dessa campanha!

Bullying

O que é ???

Bullying é um termo da língua inglesa (bully = “valentão”) que se refere a todas as formas de atitudes agressivas, verbais ou físicas, intencionais e repetitivas, que ocorrem sem motivação evidente e são exercidas por um ou mais indivíduos, causando dor e angústia, com o objetivo de intimidar ou agredir outra pessoa sem ter a possibilidade ou capacidade de se defender, sendo realizadas dentro de uma relação desigual de forças ou poder.

O bullying se divide em duas categorias: a) bullying direto, que é a forma mais comum entre os agressores masculinos e b) bullying indireto, sendo essa a forma mais comum entre mulheres e crianças, tendo como característica o isolamento social da vítima. Em geral, a vítima teme o(a) agressor(a) em razão das ameaças ou mesmo a concretização da violência, física ou sexual, ou a perda dos meios de subsistência.

O bullying é um problema mundial, podendo ocorrer em praticamente qualquer contexto no qual as pessoas interajam, tais como escola, faculdade/universidade, família, mas pode ocorrer também no local de trabalho e entre vizinhos. Há uma tendência de as escolas não admitirem a ocorrência do bullying entre seus alunos; ou desconhecem o problema ou se negam a enfrentá-lo. Esse tipo de agressão geralmente ocorre em áreas onde a presença ou supervisão de pessoas adultas é mínima ou inexistente. Estão inclusos no bullying os apelidos pejorativos criados para humilhar os colegas.

As pessoas que testemunham o bullying, na grande maioria, alunos, convivem com a violência e se silenciam em razão de temerem se tornar as “próximas vítimas” do agressor. No espaço escolar, quando não ocorre uma efetiva intervenção contra o bullying, o ambiente fica contaminado e os alunos, sem exceção, são afetados negativamente, experimentando sentimentos de medo e ansiedade.

As crianças ou adolescentes que sofrem bullying podem se tornar adultos com sentimentos negativos e baixa autoestima. Tendem a adquirir sérios problemas de relacionamento, podendo, inclusive, contrair comportamento agressivo. Em casos extremos, a vítima poderá tentar ou cometer suicídio.

O(s) autor(es) das agressões geralmente são pessoas que têm pouca empatia, pertencentes à famílias desestruturadas, em que o relacionamento afetivo entre seus membros tende a ser escasso ou precário. Por outro lado, o alvo dos agressores geralmente são pessoas pouco sociáveis, com baixa capacidade de reação ou de fazer cessar os atos prejudiciais contra si e possuem forte sentimento de insegurança, o que os impede de solicitar ajuda.

No Brasil, uma pesquisa realizada em 2010 com alunos de escolas públicas e particulares revelou que as humilhações típicas do bullying são comuns em alunos da 5ª e 6ª séries. As três cidades brasileiras com maior incidência dessa prática são: Brasília, Belo Horizonte e Curitiba.

Os atos de bullying ferem princípios constitucionais – respeito à dignidade da pessoa humana – e ferem o Código Civil, que determina que todo ato ilícito que cause dano a outrem gera o dever de indenizar. O responsável pelo ato de bullying pode também ser enquadrado no Código de Defesa do Consumidor, tendo em vista que as escolas prestam serviço aos consumidores e são responsáveis por atos de bullying que ocorram dentro do estabelecimento de ensino/trabalho.

Orson Camargo
Colaborador Brasil Escola
Graduado em Sociologia e Política pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo – FESPSP
Mestre em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

FONTE: Brasil Escola

 

ADORO QUANDO VOCÊ COMENTA!

tags:

publicado por pedagogia em ação às 23:44
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.Visitinhas

.posts recentes

. Projeto de Incentivo a le...

. Atividades para Maternal,...

. Sites que trabalham com o...

. Estatuto da Criança e do ...

. Educação uma questão de l...

. Erotização Infantil

. Bullying

. Dicas de dowloading de l...

. Eu e meus aluninhos!!!

. Xi...Xixi na cama!!!

. Apoio dos pais no desenv...

. Criança aprende brincando...

. Um tapinha não dói???????

.arquivos

.pesquisar